Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Moralidade

por Círculo do Graal, em 27.10.12

Dissertação para leitura no próximo domingo (9.00 h - 10.00 h TMG - Lisboa)

 

 

Sobre a humanidade paira como que uma escura nuvem de tempestade. Sufocante está a atmosfera. De modo apático, sob pressão abafada, trabalha a capacidade de intuição de cada um. Somente os nervos se encontram excessivamente tensos, atuando sobre a sensibilidade e os instintos do corpo. Estimulados artificialmente pelos erros de uma educação falsa, duma conceção errónea e autoilusão. O ser humano de hoje não é a tal respeito um ser normal, mas sim, traz consigo um instinto sexual doentio, muito aumentado, que procura exaltar, adorando-o por centenas de formas e maneiras, o que acarretará a perdição da humanidade inteira. Sendo tudo isso contagioso e transmissível como um hálito pestífero, acabará com o tempo atuando também sobre aqueles que procuram prender-se ainda angustiosamente a um ideal, cujos vislumbres ainda enxergam no esconderijo da semiconsciência.

 

Estendem, sim, ansiosos os braços para isso, mas desesperados acabam tornando a baixá-los, suspirando sem esperança, quando voltam o olhar para o que os cerca. Veem apavorados e impotentes com que velocidade se vai toldando a visão clara em relação à moralidade e imoralidade, perdendo a faculdade de discernimento, modificando a pauta dos conceitos nisso e, de tal modo, que muito daquilo que não faz muito tempo causava repugnância e desprezo rapidamente passa a ser admitido como inteiramente natural, já não escandalizando mais. Mas o cálice em breve estará cheio até às bordas. Há-de sobrevir um terrível despertar.

 

Mesmo agora já se nota às vezes entre essas massas fustigadas pelos instintos um repentino e tímido encolhimento, inteiramente inconsciente e irrefletido. A incerteza se apodera por um instante de mais de um coração, não ocorre um despertar, uma noção nítida de sua atuação indigna. Acode então um zelo redobrado para jogar fora ou então abafar tais “fraquezas” ou “últimos resquícios” de conceitos antiquados. Progresso a todo o custo! Mas progredir é possível em duas direções. Para cima ou para baixo. Conforme a escolha feita. E conforme a situação presente, conduz com velocidade sinistra para baixo. O choque terá de arrebentar os que assim embarafustam para baixo, quando soar a hora em que eles se batem contra uma resistência forte. A nuvem de tempestade se condensa cada vez mais sinistramente nesse ambiente abafadiço.

 

A qualquer momento é de se esperar o primeiro relâmpago, que rasga e clareia a escuridão, que ilumina flamejantemente o que está mais escondido, com uma inexorabilidade e agudeza que traz em si libertação para aqueles que anseiam pela Luz e clareza, trazendo, porém, destruição para aqueles que não mais têm anseio pela Luz. Quanto mais tempo dispuser essa nuvem para densificar sua escuridão e pesadume, tanto mais penetrante e apavorante será o raio produzido por ela. Desaparecerá a atmosfera frouxa e branda que esconde nas dobras de sua indolência cobiças viscosas, pois seguir-se-á ao primeiro relâmpago naturalmente uma corrente de ar fresco e sadio, trazendo vida nova. Na claridade fria da Luz tronar-se-ão nítidas, de chofre, diante dos olhares da humanidade horrorizada, todas as monstruosidades da fantasia mórbida de suas mentiras de falso brilho.

[…]

Libertai-vos desse torpor que, qual entorpecente, só aparenta um fortalecimento, mas que na verdade só consegue atuar enfraquecendo e destruindo. É evidente, conquanto também entristecedor, que seja exatamente o sexo feminino que em primeira linha exagera tudo ao máximo, rebaixando-se, sem escrúpulos em seus vestuários, à condição devassa de mulher de rua. Isso só prova, porém, a exatidão do que ficou esclarecido a propósito dos fenómenos da matéria fina. É exatamente a mulher que, primeiro e mais amplamente, por uma maior capacidade de intuição, recebe e colhe esse veneno do pestífero mundo de formas de pensamentos de matéria fina, sem mesmo se dar conta disso. Ela se acha mais exposta a esses perigos, e por isso é arrastada primeiro e se deixa levar com incompreensível rapidez, ultrapassando quaisquer limites. Não é em vão que se diz: “ A mulher, quando ruim, é pior do que o homem!” Isso se patenteia em tudo, seja na crueldade, no ódio ou no amor!

 

O procedimento da mulher será sempre o resultado do mundo de matéria fina que a envolve. Nisso, naturalmente, existem exceções. Por essa razão também ela não está isenta de responsabilidade, pois consegue perceber as influências que investem sobre ela e dirigir sua vontade e seu atuar conforme seu arbítrio se… ela quiser! Que isso, infelizmente, não aconteça com a maioria é uma falta do sexo feminino, que decorre em virtude da ignorância sobre tais coisas. O pior para os tempos atuais é que na realidade a mulher também tem o futuro do povo em suas mãos. E isso se dá por serem suas condições mais decisivas do que as dos homens, sobre os descendentes. Que decadência, consequentemente, trará o futuro! Inevitável! Não poderá ser detida pelas armas, pelo dinheiro, nem pelos inventos. Também não pela bondade, nem pelas manobras politicas. Aí devem vir meios mais incisivos.

 

Mas não cabe somente à mulher essa culpa enorme. Ela será sempre apenas a imagem fiel daquele mundo de formas de pensamentos que paira sobre o seu povo. Isso não deve ser esquecido. Respeitai e honrai a mulher, como tal e ela se formará por esse padrão, tornar-se-á aquilo que virdes nela, e com isso soerguereis todo o vosso povo! Antes, todavia, cumpre que as mulheres passem por um grande processo de transformação. Conforme elas são atualmente, um restabelecimento só poderá ocorrer por meio de uma operação radical, por um corte implacável e violento que retire todas as excrescências com facas afiadas, e as atire no fogo! Do contrário, ela ainda destruirá todas as partes sadias.

 

Para essa intervenção necessária na humanidade inteira, marcha o tempo atual sem detença, depressa, cada vez mais depressa, desencadeando-a finalmente por si mesmo! Será doloroso e terrível, mas o fim será a cura. Só então terá chegado o tempo para se falar em moralidade. Hoje isto perder-se-ia como palavras jogadas na tempestade. Depois de passada a hora, quando a Babel dos pecados tiver que sucumbir, desmoronando devido à sua podridão, observai então o sexo feminino! Sua conduta e seu procedimento mostrar-vos-ão sempre conforme sois, porque a mulher, devido à sua intuição mais fina, vive aquilo que as formas de pensamentos desejam. Este facto nos dá também a certeza de que, com a pureza dos pensamentos e das intuições, a feminilidade será a primeira a se elevar com rapidez àquele modelo que consideramos um ser humano nobre. Então a moralidade aparecerá com todo o brilho de sua pureza!

 

Abdruschin

 

Excerto da Dissertação, “Moralidade”, da obra “Mensagem do Graal” Na Luz da Verdade, volume I.

Esta dissertação (Pág. 27) pode ser lida em formato PDF, integralmente, ou descarregar o livro.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor



Mensagens

Calendário

Outubro 2012

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031





Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Favoritos