Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Dissertação para leitura no próximo domingo (9.00 h – 10.00 h, TMG – Lisboa)

Cada um julga haver entendido plenamente essas palavras simples, e todavia haverá poucos que reconheceram seu verdadeiro sentido. É unilateral e errado interpretar esse dito como se tivesse sido expresso apenas para o ser humano aprender a ter indulgência para com o seu próximo. Indulgência para com o seu próximo vem com o vivenciar dessa frase, espontaneamente como algo evidente, mas apenas em segundo lugar.

Quem perscruta assim as palavras de Cristo, não perscruta suficientemente a fundo, mostrando assim que se acha muito distante de poder tornar vivas as palavras do Filho de Deus, ou que ele subestima de antemão a sabedoria contida em seus ditos. Essas palavras, outrossim, nas interpretações de muitos pregadores, como tudo o mais, estão enquadradas na moleza e na lassidão daquele amor, que a igreja de tão bom grado procura apresentar como amor cristão.

 

O ser humano, porém, pode e deve aplicar esse ditame do Filho de Deus apenas como medida de seus próprios erros. Se olhar à sua volta com olhos abertos e se simultaneamente observar aí a si próprio, reconhecerá logo que exatamente aqueles erros que mais o incomodam no próximo, são os que se acham pronunciados nele próprio, em escala grandemente acentuada e incómodos para outrem.

E a fim de aprenderdes a observar acertadamente, será melhor primeiro prestardes cuidadosa atenção aos vossos semelhantes. Dificilmente haverá entre esses um que não tenha a reclamar isso ou aquilo de outrem, pronunciando-se também aberta ou veladamente a respeito. Tão logo isso aconteça, mantende essa pessoa, que se queixa dos defeitos dos outros ou até se irrita, sob rigorosa observação a tal respeito. Não tardará muito até descobrirdes, para vosso espanto, que exatamente aqueles defeitos que a referida pessoa tão acerbamente censura nos outros, encontram-se em grau muito maior nela mesma!

 

Isso é um facto que no começo vos deixará perplexos, mas que se apresenta sempre, sem exceção. Ao julgar as pessoas, podeis no futuro considerar, serenamente, isso como certo, sem precisardes temer que estais errando. Permanece o facto de que uma pessoa que se irrita com estes ou aqueles defeitos de outrem, com certeza possui exatamente os mesmos defeitos em escala muito maior.

Procedei um dia com calma a tais exames. Conseguireis, e logo reconhecereis a verdade, porque vós próprios não estais aí implicados e, portanto, não procurais atenuar coisa alguma em ambas as partes.

Tomai, pois, uma pessoa que cultivou em si o mau costume de ser predominantemente mal-humorada e descortês, raras vezes mostrando uma fisionomia afável, a quem, portanto, se prefere evitar. Exatamente essas são as que se outorgam o direito de quererem ser tratadas de modo especialmente afável, e exasperam-se, moças e senhoras, até mesmo a ponto de chorar, quando uma vez enfrentam, justificadamente, apenas um olhar repreensivo. A um observador sereno isso atua de modo tão indizivelmente ridículo e triste, que se esquece de se indignar com isso.

 

E assim é de mil e uma maneiras diferentes. Fácil se tornará para vós o aprender e reconhecer. Mas quando então chegardes a tanto, deveis também ter a coragem de supor que vós próprios não formais exceção alguma, uma vez que encontrastes a prova em todos os demais. E com isso, finalmente, ser-vos-ão abertos os olhos para vós próprios. Isso equivale a um grande passo, talvez até o maior para o vosso desenvolvimento! Cortareis com isso um nó que hoje mantém a humanidade inteira oprimida! Libertai-vos e auxiliai então alegremente também aos outros de igual maneira.

É o que quis dizer o Filho de Deus com essas simples palavras. Tais valores educativos ele os deu com suas frases singelas. Os seres humanos, porém, não procuraram nelas de modo sincero. Quiseram, como sempre, sobrepondo-se, aprender apenas a olhar sobre os outros de modo indulgente. Isso lisonjeava o seu orgulho repugnante.

 

A completa miserabilidade de seu falso pensar se põe por toda a parte em evidência nas interpretações de até agora, isto é, o farisaísmo desvelado e hipócrita. Transplantou-se inalteradamente para o cristianismo. Pois mesmo os que se dizem perscrutadores, aceitaram e continuam aceitando tudo com demasiada leviandade em sua habitual ilusão de que com a leitura, realmente, também devam ter compreendido o sentido, porque assim o fazem crer a si próprios, bem de acordo com seu respetivo parecer.

Isso não é nenhum sincero procurar. Por isso não conseguem encontrar o verdadeiro tesouro. Por isso também não pôde haver qualquer progresso. O Verbo permaneceu morto para aqueles que deviam torná-lo vivo dentro de si, a fim de auferir daí valores que conduzam às Alturas.

E cada frase que o Filho de Deus outorgou à humanidade encerra tais valores, que só não foram encontrados porque nunca foram procurados corretamente.

 

 

Abdruschin

                        

Dissertação, “Vês o argueiro no olho de teu irmão e não atentas para a trave no teu olho”, da obra “Na Luz da Verdade - Mensagem do Graal”, volume II.

Leia a dissertação (Pág. 361) em formato PDF, sem custos, ao descarregar o livro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/4



Mais sobre mim

foto do autor



Mensagens

Calendário

Julho 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031





Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Favoritos